DEU NO JORNAL O GLOBO – Ônibus, barcas e escolas públicas e parte das particulares vão aderir à greve na sexta-feira.

Movimento contra reformas propostas pelo governo federal será nesta sexta-feira.

O transporte rodoviário deve ser um dos serviços mais afetados. Motoristas de empresas de ônibus municipais e intermunicipais, BRTs, VLTs e coletivos turísticos e escolares prometem parar a partir do primeiro minuto de sexta-feira. A categoria participou de assembleia anteontem, no Sindicato Municipal dos Trabalhadores Empregados em Empresas de Transporte Urbano de Passageiros do Município do Rio (Sintraturb-Rio). A associação vai se concentrar em frente à prefeitura, a partir das 8h30, para um ato de protesto. A Rio Ônibus declarou, no entanto, que as empresas estarão preparadas para funcionar normalmente nesta sexta-feira. Em nota, o sindicato disse que os funcionários que não forem trabalhar receberão falta.

A previsão é que as barcas também parem, a partir das 6h. Além da interrupção, a Federação Nacional dos Trabalhadores em Transportes Aquaviários e Afins marcou um “apitaço” das embarcações entre 12h e 12h05. A situação estará sujeita a reavaliações durante o dia.

Já os metrôs funcionarão normalmente. O Sindicato dos Metroviários do Estado do Rio de Janeiro resolveu não aderir à paralisação, após assembleia realizada na noite de ontem. Trens vão operar da mesma forma, embora o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias se posicione a favor da causa.

As escolas das redes municipal e estadual vão parar, segundo informações do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe). Instituições de ensino da capital e de mais 29 cidades estão listadas para aderir à mobilização.

O funcionamento das escolas particulares varia de uma instituição para outra. O Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado do Rio de Janeiro se manifestou contrário à paralisação, alegando que a suspensão de aulas em nada contribui para a causa levantada pelas demais categorias. Algumas instituições já confirmaram a suspensão das atividades: Colégio Santo Inácio, Jardim-Escola Michaelis, Escola Sá Pereira (todos em Botafogo), Colégio São Vicente de Paulo (Cosme Velho), Edem (Largo do Machado), Colégio Marista São José (Tijuca) e Colégio São Vicente de Paulo e La Salle Abel (Niterói). As aulas do Colégio Cruzeiro, no Centro, estão mantidas, mas não haverá provas.

Na rede municipal de saúde, no entanto, postos e hospitais permanecerão em atividade. O Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde diz que é solidário à mobilização, mas não pode suspender um serviço essencial. Instituições particulares também devem continuar funcionando, segundo recomendação do Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde. O coletivo não está aderindo à manifestação.

A posição do Sindicato dos Bancários, por sua vez, é manter os bancos do município fechados. De forma unânime, a categoria decidiu pelo apoio à causa, após encontro realizado no dia 19 de abril.

O serviço de correio deverá sentir os efeitos da greve decretada ontem pelo Sindicato dos Trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos e Similares. A categoria se adiantou e declarou a interrupção das atividades, por tempo indeterminado, desde as 22h do dia 26.

Fonte: Jornal O Globo.

Clique aqui e veja a matéria completa na íntegra.